Notícia

Santander Cultural apresenta sua programação para o verão 2017

Santander Cultural apresenta sua programação para o verão 2017

Shows com Vitor Ramil e BIRDLEGG, cinema brasileiro com forte presença de cineastas gaúchos e oficinas criativas dão o tom para agenda dos meses de janeiro e fevereiro.

 

Um salto de qualidade nas atividades musicais com um modelo totalmente inovador e qualificado para a Oficina de Choro, que amplia carga horária e equipe de professores, além de aumentar a capacidade de alunos e trazer novas áreas relativas ao gênero.

 

 

Porto Alegre, 03 de janeiro de 2017 – O ano começa marcado por mudanças positivas na unidade de cultura do Santander em Porto Alegre. A partir do dia 10 de janeiro, o Cine Santander Cultural, que busca cada vez mais ser referência no circuito de arte, traz uma seleção de cinema brasileiro com muitos títulos gaúchos e 12 sessões comentadas. Na área musical, os shows do projeto Ouvindo Música passam a ser mensais, enquanto que a Oficina de Choro recomeça o ano em um formato totalmente inovador. A Ação Educativa, que dialoga com todas as áreas como um pilar que alicerça a reflexão e a geração de conhecimento, marca presença com uma agenda de oficinas com temas variados. Todas atividades da ação educativa e Oficina de Choro têm entrada franca, sendo que as inscrições já estão abertas. O cinema tem preço único de R$ 10 e os shows R$ 12 (ingressos podem ser adquiridos antecipadamente).

Entre 10 de janeiro e 23 de fevereiro, o cinema exibe 16 longas-metragens e o lançamento de duas séries gaúchas. Trata-se de um panorama bastante representativo da produção local, com nove filmes gaúchos e com a participação dos seus realizadores em sessões comentadas. Duas séries filmadas recentemente no Rio Grande do Sul – As Aventuras de Minuano Kid, uma aventura infanto-juvenil, e Projeto Gema, que registra os diferentes estilos de música regional do Estado – e o curta gaúcho Luna 13, são exibidas em sessões únicas com entrada franca e comentadas pelos seus realizadores. Outros sete grandes filmes brasileiros lançados em 2016 estão na grade – dentre eles Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert; A Luneta do Tempo, de Alceu Valença; e o documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha.

A Oficina de Choro Santander Cultural expande suas atividades este ano em grande estilo. Uma das mais longevas iniciativas na área de educação musical no país – o projeto existe há 12 anos - é coordenado, atualmente, pelo músico Mathias Pinto. Em 2017, a Oficina amplia sua equipe de professores, aumentando a capacidade de alunos e trazendo novas áreas abordadas como aulas de criação e improviso.  Na formação da nova equipe músicos destacados no estado, como Samuca, do Acordeon, Elias Barboza, Guilherme Sanches, Lucian Krolow, Alexandre Susin e Mônica Kern na produção executiva e comunicação, se unem com o objetivo de proporcionar educação musical através da linguagem choro, incentivando a postura criativa e a formação de multiplicadores desse estilo.

Um dos destaques do verão são as oficinas criativas com temas variados para todas as idades. Libras, O Reaproveitamento Expandido; Oficina Papelera - Formatação e Desenvolvimento de Projetos Gráficos Impressos; A Voz para uma autodescoberta em uma abordagem transdisciplinar; Fotografia Digital Conectada; Dança e Criatividade; e Oficina Passos Básicos do Funk estão no programaTodas as atividades são coordenadas pela Ação Educativa da instituição no intuito de estimular um aprendizado com valores agregados. Além das oficinas, diariamente ocorrem atividades como: visitas ao prédio e em seu entorno, desenho, origami, sketchbook, maquete tátil, frotagem, monotipia, macramê, entre outras.

Dia 25 de janeiro, quarta-feira, às 19 horas, Vítor Ramil se apresenta pela primeira vez em show solo no Santander Cultural. O músico passou pela instituição nos shows de inauguração, há quinze anos, ao lado do compositor Chico César. No dia 22 de fevereiro, o blues volta ao palco da unidade de cultura do Santander com a presença de um nome histórico do gênero: Birdlegg, que vem direto do Estados Unidos para sua primeira exibição em Porto Alegre.

 

 

SOBRE A OFICINA DE CHORO E SAMBA

 

A qualificada expansão das atividades da Oficina de Choro Santander Cultural, um dos destaques de 2017, visa estimular a educação, a reflexão e o conhecimento.

Dia 10 de janeiro, terça-feira, às 17h30, ocorre o evento de apresentação dessa nova etapa na Sala Oeste do Santander Cultural com coquetel do Chef Eduardo Natalício, do Boteco Natalício, para imprensa e convidados.  

17h30 – Recepção dos convidados e imprensa

18h – Palavras de boas-vindas por Carlos Trevi, Coordenador Geral do Santander Cultural

18h05 – Apresentação do projeto por Carlos Branco, Curador do Programa Fazendo Música

18h20 – Detalhamento das diversas ações que compõem a nova proposta por Mathias Pinto, Coordenador da Oficina de Choro

18h35 – Apresentação musical do grupo de professores

18h45 – Coquetel assinado pelo Chef Eduardo Natalício, do Boteco Natalício  

19h30 – Encerramento

 

 

SOBRE A PROGRAMAÇO DE CINEMA

 

Ingressos R$ 10,00

As sessões das 19h dos dias 28 de janeiro e 10 e 17 de fevereiro têm entrada franca, com distribuição de senhas a partir das 18h30.

Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada.

Funcionários e clientes Santander têm entrada franca.

Antecipados na bilheteria do Santander Cultural e pelo site MyTicket https://myticket.com.br/

10 de jan – ter

15h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

17h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

19h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

 

11 de jan – qua

15h      Ponto Zero José Pedro Goulart

17h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

19h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

 

12 de jan – qui

15h      O Último Poema Mirela Kruel

17h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

19h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

            Sessão comentada pelo diretor Gilson Vargas

 

13 de jan – sex

15h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

17h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

19h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

 

14 de jan – sáb

15h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

17h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

19h      Yorimatã Rafael Saar

 

15 de jan – dom

15h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

17h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

19h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

 

17 de jan – ter

15h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

17h      Yorimatã Rafael Saar

19h      O Último Poema Mirela Kruel

 

18 de jan – qua

15h      Ponto Zero José Pedro Goulart

17h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

19h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

            Sessão comentada pelo diretor Mário Eugênio Saretta

 

19 de jan – qui

15h      Yorimatã Rafael Saar

17h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

19h      Desvios Pedro Guindani

            Sessão comentada pelo diretor Pedro Guindani

 

20 de jan – sex

15h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

17h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

19h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

            Sessão comentada pelo diretor Fabiano de Souza e pelo montador Milton do Prado

 

21 de jan – sáb

15h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

17h      O Último Poema Mirela Kruel

19h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

 

22 de jan – dom

15h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

17h      Desvios Pedro Guindani

19h      Cinema Novo Eryk Rocha

 

24 de jan – ter

15h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

17h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

19h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

 

25 de jan – qua

15h      Cinema Novo Eryk Rocha

17h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

19h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

            Sessão comentada pelo diretor Gustavo Spolidoro

 

26 de jan – qui

15h      Desvios Pedro Guindani

17h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

19h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

            Sessão comentada pelo diretor Guto Bozzetti

 

27 de jan – sex

15h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

17h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

19h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

            Sessão comentada pelos músicos e ex-integrantes do DeFalla Biba Meira e Carlo Pianta

 

28 de jan – sáb

15h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

17h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

19h      Luna 13 Filipe Barros

            Sessão comentada pelo diretor Filipe Barros e pelo produtor Eduardo Christofoli

 

29 de jan – dom

15h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

17h      Cinema Novo Eryk Rocha

19h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

 

31 de jan – ter

15h      Desvios Pedro Guindani

17h      Dromedário no Asfalto Gilson Vargas

19h      Ponto Zero José Pedro Goulart

 

1º de fev – qua

15h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

17h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

19h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

 

3 de fev – sex

15h      Yorimatã Rafael Saar

17h      Desvios Pedro Guindani

19h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

 

4 de fev – sáb

15h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

17h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

19h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

 

5 de fev – dom

15h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

17h      Ponto Zero José Pedro Goulart

19h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

 

7 de fev – ter

15h      Cinema Novo Eryk Rocha

17h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

19h      Desvios Pedro Guindani

 

8 de fev – qua

15h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

17h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

19h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

 

9 de fev – qui

15h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

17h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

19h      O Último Poema Mirela Kruel

            Sessão comentada pela diretora Mirela Kruel e pelo produtor Fabiano Florez

 

10 de fev – sex

15h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

17h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

19h      Projeto Gema Francisco Cadaval

            Sessão comentada pelos pesquisadores Lucas Luz e Ismael Silva

 

11 de fev – sáb

15h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

17h      Ponto Zero José Pedro Goulart

19h      Desvios Pedro Guindani

 

12 de fev – dom

15h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

17h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

19h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

 

14 de fev – ter

15h      Epidemia de Cores Mário Eugênio Saretta

17h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

19h      Yorimatã Rafael Saar

 

15 de fev – qua

15h      O Último Poema Mirela Kruel

17h      Cinema Novo Eryk Rocha

19h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

 

16 de fev – qui

15h      Nós Duas Descendo a Escada Fabiano de Souza

17h      Yorimatã Rafael Saar

19h      Ponto Zero José Pedro Goulart

            Sessão comentada pelo diretor José Pedro Goulart

 

17 de fev – sex

15h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

17h      Mãe Só Há Uma Anna Muylaert

19h      As Aventuras de Minuano Kid Edison Rodrigues, Pedro Antoniutti

            Sessão comentada pelos diretores Pedro Antoniutti e Edison Rodrigues e pelo ator Marcus Vinícius Moraes

 

18 de fev – sáb

15h      O Último Poema Mirela Kruel

17h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

19h      A Loucura Entre Nós Fernanda Fontes Vareille

 

19 de fev – dom

15h      Cinema Novo Eryk Rocha

17h      A Luneta do Tempo Alceu Valença

19h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

 

21 de fev – ter

15h      O Silêncio do Céu Marco Dutra

17h      Yorimatã Rafael Saar

19h      A Vizinhança do Tigre Affonso Uchoa

 

22 de fev – qua

15h      Sobre Amanhã Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento

17h      Eu Não Vou Dizer Eu Te Amo Guto Bozzetti

19h      Errante – Um Filme de Encontros Gustavo Spolidoro

 

23 de fev – qui

15h      Ponto Zero José Pedro Goulart

17h      O Último Poema Mirela Kruel

19h      Cinema Novo Eryk Rocha

 

ESPECIAL

 

AS AVENTURAS DE MINUANO KID
Brasil, 2016, cor, 99 min

O garoto Juninho tem um amigo imaginário chamado Minuano Kid, um “super-herói” com medo do escuro. Juntos, estes valentes protagonistas irão enfrentar todos os dilemas que uma criança encontra em seu dia a dia.

D, R: Edison Rodrigues, Pedro Antoniutti. E: Marcus Vinícius Moraes, Lucca Rocha, Marcela Cipriani, Lívia Martin. G: Aventura. CI: Livre

 

 

Sessão comentada – 17 de fevereiro – 19h

 

Pedro Antoniutti – Diretor, roteirista e produtor. Tem em seu currículo curtas e minisséries. Juntamente com Edison Rodrigues, é sócio da produtora AE Produções, formada em 2014.

 

Edison Rodrigues – Diretor e roteirista formado pela PUC-RS, tendo diversos projetos criados e dirigidos em parceria com Pedro para a AE Produções.

 

Marcus Vinícius Moraes – Ator e produtor audiovisual em curtas, longas e séries. Atua também como dublador de jogos de videogame para o mercado brasileiro.

 

 

LUNA 13
Brasil, 2016, cor, 17 min

Após a morte de seu avô, o jovem Igor decide fazer um documentário sobre sua família, na tentativa de entender porque o avô era obcecado por fatos estranhos que haviam acontecido em sua cidade.

D: Filipe Barros. R: Fabrício Cantanhede. E: Rodrigo Waschburger, Marcelo Naz, Beto Ruas, Almeri Espindola, Vardan Movsisyan. G: Drama. CI: 10 anos.

 

 

Sessão comentada – 28 de janeiro – 19h

 

Filipe Barros – Montador e diretor. Entre seus trabalhos estão o curta Das 5 às 7 em um País em Subdesenvolvimento e o videoclipe Tugboat, da banda Lautmusik.

 

Eduardo Christofoli – Graduado no curso de Cinema da PUC-RS, atua como produtor audiovisual desde 2007. Entre outros trabalhos, produziu a minissérie As Aventuras de Minuano Kid.

 

 

PROJETO GEMA

Brasil, 2016, cor, 120 min

Composto por 10 episódios, o Projeto Gema visa apresentar a diversidade musical do Rio Grande do Sul: da música dos índios da aldeia guarani Mbya Tekoá Guaviraty a Bonitinho, o guitar hero dos Pampas; da bandinha típica alemã Goela Seca a Adelar Bertussi, um dos maiores gaiteiros do Brasil.

D: Francisco Cadaval. G: Documentário. CI: 14 anos.

 

 

Sessão comentada – 10 de fevereiro – 19h

 

Lucas Luz – Produtor executivo e pesquisador do Projeto. É escritor, fotógrafo, pesquisador de culturas tradicionais e produtor cultural.

 

Ismael Silva – Atuou como pesquisador e desenhista de som do Projeto. Músico, professor, pesquisador focado em culturas populares e físico do som.

 

 

 

SELEÇÃO DE CINEMA BRASILEIRO

 

CINEMA NOVO

Brasil, 2016, cor, 90 min

Dirigido pelo filho de Glauber Rocha, este documentário mergulha na aventura de uma geração que inventou uma nova forma de fazer audiovisual no Brasil, a partir de uma atitude política que juntava arte e revolução e que desejava um cinema que fosse ao encontro do povo brasileiro.

D, R: Eryk Rocha. E: Nelson Pereira dos Santos, Carlos Diegues, Joaquim Pedro de Andrade. G: Documentário. CI: Livre.

 

DESVIOS

Brasil, 2016, cor, 93 min

Daniel roubou 15 milhões de reais de uma empresa e agora precisa se esconder. Enquanto espera por documentos falsos para recomeçar a vida no exterior, ele embarca em um surto paranóico que colocará em risco não somente o dinheiro roubado, mas também sua sanidade.

D, R: Pedro Guindani. E: Rafael Mentges, Cassiano Ranzolin, Anselmo Vasconcelos. G: Policial/Thriller. CI: 16 anos.

 

 

Sessão comentada – 19 de janeiro – 19h

 

Pedro Guindani – Diretor, produtor e roteirista. Dirigiu os curta Os Olhos de CapituO Holandês Misterioso e O Que Ficou pra TrásDesvios é seu primeiro longa-metragem.

 

 

DROMEDÁRIO NO ASFALTO

Brasil, 2014, cor, 84 min

Após perder a mãe, Pedro se sente devastado e decide conhecer a identidade de seu pai. Ele só sabe que o homem foi viver recluso no Uruguai. Assim, parte em uma jornada de auto-conhecimento, caminhando por várias cidades do Brasil até cruzar a fronteira com o país vizinho.

D, R: Gilson Vargas. E: Marcos Contreras, Laura Schneider, Vanise Carneiro. G: Drama. CI: 14 anos.

 

 

Sessão comentada – 12 de janeiro – 19h

 

Gilson Vargas – Roteirista, diretor e produtor. Professor do Bacharelado em Cinema da Unisinos e sócio da produtora Pata Negra e da Cia. Teatro Líquido.

 

 

EPIDEMIA DE CORES

Brasil, 2016, cor, 70 min

 

Um documentário com participantes e coordenadores da Oficina de Criatividade realizada em um hospital psiquiátrico. Durante os mais de dois anos de filmagens, o diretor filmou interagindo através de uma linguagem audiovisual ética e esteticamente sensível.

D, R: Mário Eugênio Saretta. G: Documentário. CI: Livre

 

 

Sessão comentada – 18 de janeiro – 19h

 

Mário Eugênio Saretta – Doutorando em Antropologia Social pela UFRGS. Epidemia de Cores é o seu primeiro filme.

 

 

ERRANTE – UM FILME DE ENCONTROS

Brasil, 2015, cor, 70 min

Sozinhos, o diretor Gustavo Spolidoro e sua câmera vão ao encontro do inesperado. Guiado pelo acaso, o cineasta partiu da primeira imagem ao despertar numa manhã de carnaval e seguiu por cinco dias ao sabor dos encontros.

D, R: Gustavo Spolidoro. E: Spolidoro, Stephanie Piou, Lívio André Menezes G: Documentário. CI: Livre.

 

 

Sessão comentada – 25 de janeiro – 19h

 

Gustavo Spolidoro – Diretor de cinema e professor nos cursos de Cinema e Jornalismo da PUC-RS. É coordenador de curadoria do Cine Esquema Novo. Errante é seu quarto longa-metragem.

 

 

EU NÃO VOU DIZER EU TE AMO

Brasil, 2016, cor, 82 min

Um jovem músico apaixonado pela arte é sempre incentivado a investir em uma carreira musical. Embora tranquilo com sua situação, ele começará a avaliar o rumo de sua vida após a chegada de seu pai à cidade.

D, R: Guto Bozzetti. E: Nicolas Vargas, Sérgio Mantovani, Camila Vergarra. G: Drama. CI: 16 anos.

 

 

Sessão comentada – 26 de janeiro – 19h

 

Guto Bozzetti – Roteirista e diretor, formado em Produção Audiovisual pela Ulbra. Também professor de Educação Audiovisual na E.E.E.F. Daltro Filho e sócio-diretor da 2Z2T Filmes.

 

 

A LOUCURA ENTRE NÓS

Brasil, 2016, cor, 78 min

 

Entre os corredores e grades de um hospital psiquiátrico, este documentário busca personagens e histórias que revelem as fronteiras do que é considerado loucura. Principalmente através de personagens femininos, exala as contradições da razão e nos faz refletir sobre nossos próprios conflitos, desejos e erros.

D: Fernanda Fontes Vareille. G: Documentário. CI: 12 anos.

 

A LUNETA DO TEMPO

Brasil, 2014, cor, 99 min

No Agreste Pernambucano dos anos 1930, o policial Antero Tenente combate o cangaceiro Lampião e seu bando. A disputa acaba atravessando os anos, estendendo-se aos filhos do policial e de um cangaceiro que foi morto por ele

D, R: Alceu Valença. E: Hermila Guedes, Irandhir Santos, Alceu Valença. G: Drama. CI: 12 anos.

 

MÃE SÓ HÁ UMA

Brasil, 2016, cor, 82 min

Pierre descobre que sua família não é biológica quando a polícia prende sua mãe. Confuso, ele vai atrás de seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, e a nova realidade faz com que o rapaz encontre finalmente a sua real identidade.

D, R: Anna Muylaert. E: Naomi Nero, Daniel Botelho, Daniela Nefussi. G: Drama. CI: 12 anos.

 

NÓS DUAS DESCENDO A ESCADA

Brasil, 2015, cor, 98 min

Com uma vida monótona, Adri é uma jovem recém-formada que divide o tempo entre emprego e terapia. Um dia, na escada de um prédio, a garota se apaixona por Mona, uma arquiteta bem-sucedida.

D, R: Fabiano de Souza. E: Carina Dias, Miriã Possani, Diones Camargo. G: Drama. CI: 16 anos.

 

 

Sessão comentada – 20 de janeiro – 19h

 

Fabiano de Souza – Diretor de cinema e televisão. Também é professor da Famecos/PUC-RS e editor da revista Teorema. Nós Duas Descendo a Escadaé o seu segundo longa.

 

Milton do Prado – Montador com trabalhos para cinema e TV e diversos prêmios de Melhor Montagem. Também é professor do Curso de Realização Audiovisual da Unisinos e colaborador da revista Teorema.

 

 

 

PONTO ZERO

Brasil, 2016, cor, 94 min

Ênio tem quase 15 anos e precisa lidar com a chegada da vida adulta ao mesmo tempo em que tenta superar os traumas da infância. Ao tentar escapar de uma claustrofóbica cena familiar, ele desafia uma noite tempestuosa que o levará a um choque brutal com o destino.

 

D, R: José Pedro Goulart. E: Patricia Selonk, Eucir de Souza, Larissa Tavares. G: Drama. CI: 14 anos.

 

 

Sessão comentada – 16 de fevereiro – 19h

 

José Pedro Goulart – Cineasta, publicitário, jornalista e escritor. Dirigiu e produziu vários curtas, incluindo o premiado O Dia em que Dorival Encarou a Guarda (codirigido com Jorge Furtado). Ponto Zero é o seu primeiro longa.

 

O SILÊNCIO DO CÉU

Brasil, 2016, cor, 102 min

Após ser vítima de um estupro dentro da própria casa, Diana decide manter o trauma em segredo. Mario, seu marido, também tem algo a esconder. O silêncio que toma conta do casal ao longo dos dias acaba se transformando em uma peculiar forma de violência.

D: Marco Dutra. R: Sergio Bizzio, Caetano Gotardo, Lucía Puenzo. E: Leonardo Sbaraglia, Carolina Dieckmann, Chino Darín. G: Drama/Thriller. CI: 16 anos.

 

SOBRE AMANHÃ

Brasil, 2014, cor, 52 min

Documentário sobre a banda gaúcha DeFalla, que impactou o rock brasileiro desde o seu surgimento em 1985, filmado na ocasião em que o grupo se reuniu para comemorar os 25 anos de lançamento do seu primeiro álbum.

D, R: Diego de Godoy, Rodrigo Pesavento. E: Edu K, Castor Daudt, Biba Meira. G: Documentário. CI: 14 anos.

 

 

Sessão comentada – 27 de janeiro – 19h

 

Biba Meira – Baterista gaúcha e professora de música e bateria. Fez parte da banda DeFalla desde sua concepção, em 1984, até 1989, voltando em eventuais reencontros do grupo. Também tocou com outras bandas e artistas, nos mais variados estilos musicais.

 

Carlo Pianta – Doutor em Letras pela UFRGS, é músico e guitarrista da banda Graforréia Xilarmônica. Foi o primeiro baixista do DeFalla

 

O ÚLTIMO POEMA

Brasil, 2015, cor, 70 min

O filme revela parte da correspondência entre uma professora do interior e o poeta Carlos Drummond de Andrade. Em belas cenas, esta amizade é reinventada, tecendo no imaginário do espectador o encontro entre o universo particular de Helena e a poesia de Drummond.

D, R: Mirela Kruel. E: Helena Maria Balbinot, Janaina Kremer, Rodrigo Fiatt. G: Documentário. CI: Livre.

 

 

Sessão comentada – 9 de fevereiro – 19h

 

Mirela Kruel – Diretora e roteirista de curtas-metragens e documentários. Seu trabalho autoral independente é reconhecido e já recebeu prêmios em diversos festivais.

 

Fabiano Florez – Diretor e produtor de cinema. Atuou na produção executiva de O Último Poema.

 

 

A VIZINHANÇA DO TIGRE

Brasil, 2016, cor, 95 min

Juninho, Menor, Neguinho, Adilson e Eldo são jovens moradores do bairro Nacional, na periferia de Contagem (MG). Divididos entre o trabalho e a diversão, o crime e a esperança, cada um terá de superar as dificuldades e domar o tigre que carrega dentro de si.

D, R: Affonso Uchoa. E: Maurício Chagas, Aristides de Sousa, Eldo Rodrigues. G: Drama. CI: 16 anos.

 

YORIMATÃ

Brasil, 2014, cor, 116 min

Luhli e Lucina buscaram liberdade no movimento hippie durante os anos 1970. Elas compõem experimentando instrumentos, são pioneiras da música independente brasileira e vivem um relacionamento a três com o fotógrafo Luiz, que registrou a vida deles em 8mm.

D, R: Rafael Saar. E: Luhli, Lucina, Ney Matogrosso. G: Documentário. CI: 14 anos.

 

 

SOBRE O PROGRAMA DE OFICINAS CRIATIVAS

 

Inscrições para todo o programa já estão abertas pelo telefone 51 3287.5941

 

LIBRAS BÁSICO

A oficina proporciona o conhecimento introdutório a Libras Básico (Língua Brasileira de Sinais) oportunizando autonomia para a comunicação com os surdos em demandas cotidianas e coloquiais. Gerando competências comunicativas que valorizam a educação e a cultura da comunidade Surda.

Ministrante: Simone Dorneles - mediadora em Libras

Local: sala multiuso leste

Quando: 10, 11, 12, 17, 18, 19, 24, 25, 26, 27, 31/jan; 01, 07, 08, 09/fev

Horário: 14h às 17h

Vagas: 25

Faixa etária: a partir de 18 anos

 

O REAPROVEITAMENTO EXPANDIDO

Aborda reutilização como um meio para o processo criativo, e uma utilização mais elaborada do descarte cotidiano, enquanto apropriação de objetos e sua inserção reinterpretada em objetos de arte ou produto artístico. Exaltando, assim, a emergência da redução do consumo de matéria prima fóssil/orgânica e a diminuição dos danos ao meio ambiente. Durante os encontros os alunos aprenderão a classificar materia-prima, direcionamento autoral e a projeção e execução de trabalhos tridimensionais e objetos utilitários.

Ministrante: Luiz Vargas “Tridente” – artista visual

Local: atelier 1

Quando: 17, 18, 19, 24 e 25/jan

Horário: dia 17 (das 14h às 16h), dias 18, 19, 24 e 25 (das 14h às 17h)

Vagas: 15

Faixa etária: a partir de 14 anos

 

OFICINA PAPELERA

FORMATAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS GRÁFICOS IMPRESSOS 

Voltada a interessados em ingressar no universo da arte gráfica por meio da elaboração de materiais impressos, a oficina aborda questões como o contexto gráfico contemporâneo, editoras independentes, artistas gráficos e feiras gráficas.

Ministrante: Amanda Copstein – artista visual

Local: atelier 2

Quando: 17, 18 e 19/jan

Horário: das 14h às 18h

Vagas: 15

Faixa etária: a partir de 16 anos

Público alvo: artistas, designers, publicitários, jornalistas, fotógrafos e estudantes.

 

A VOZ PARA UMA AUTODESCOBERTA EM UMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

Esta oficina tem como foco o desenvolvimento e conhecimento da voz, do timbre, entendendo-a como uma sonoridade, trabalhando-a juntamente com a consciência corporal e gestual. Os jogos e atividades utilizados envolvem arte em suas múltiplas linguagens; música, teatro, desenho e dança, relacionadas entre si e para além de si. A abordagem transdisciplinar conduz esta proposta, pois atua em diversos campos de conhecimento, transpassando-os.

Ministrante: Camila Dias de Borba - pesquisadora

Local: sala multiuso oeste

Quando: 24, 25, 26 e 27/jan

Horário: das 14h às 17h

Vagas: 15

Faixa etária: a partir de 16 anos

Público alvo:  educadores, mediadores, comunicadores, professores, artistas, arte-educadores e profissionais em geral.

 

FOTOGRAFIA DIGITAL CONECTADA 

É uma atividade de aprendizado em grupo, pensada exclusivamente para pessoas idosas. Tem como proposta central estimular o desenvolvimento intelectual, criativo, de expressão e consciência de si mesmo em relação ao ambiente (virtual e físico), por meio de lições "técnicas" básicas e práticas da fotografia, e de muita conversa. A oficina pode ser realizada com câmeras digitais e com smartphones

Ministrante: Sheila Uberti – pesquisadora e professora de fotografia

Local: atelier 2

Quando: 15, 16, 17, 18/fev

Horário: das 14h às 16h

Vagas: 12

Faixa etária: maiores de 60 anos

 

DANÇA E CRIATIVIDADE

Desenvolvimento e treinamento da criatividade por meio da dança, para profissionais de variados setores, artistas de diferentes linguagens e público em geral.

Ministrante: Diego Mac – graduado em dança e mestre em poéticas visuais

Local: sala multiuso oeste

Quando: 14, 15, 16 e 17/fev

Horário: 14h às 17h

Vagas: 30

Faixa etária: a partir de 16 anos

Necessidades técnicas: roupas confortáveis que permitam movimento.

 

OFICINA PASSOS BÁSICOS DO FUNK

Nesta oficina serão compartilhados passos básicos da dança funk, cultuada e disseminada através da cultura das comunidades cariocas, no RJ. A dança que conecta o encontro, a manutenção de elementos culturais contemporâneos, parte de matrizes corporais coreografadas. Esta oficina prevê uma intervenção final em caráter “flash mob” nas áreas externas do prédio do Santander Cultural.

Ministrante: Laura Lima e Manuela Miranda – integrantes do Grupo Teatral Pretagô

Local: sala multiuso oeste

Quando: 07, 08, 09 e 10/fev

Horário: das 14h às 16h

Vagas: 20

Público alvo: crianças e pré-adolescentes até 12 anos

 

SOBRE OS SHOWS MUSICAIS

 

Vítor Ramil

Dia 25 de janeiro, 19h

Ingressos R$ 12

Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada.

Funcionários e clientes Santander têm entrada franca.

Antecipados na bilheteria do Santander Cultural e pelo site MyTicket https://myticket.com.br/

 

Compositor, cantor e escritor, o gaúcho Vitor Ramil começou sua carreira artística ainda adolescente, no começo dos anos 1980. Aos 18 anos gravou seu primeiro disco Estrela, Estrela, com a presença de músicos, arranjadores e cantoras que voltaria a encontrar em trabalhos futuros. 1984 foi o ano de A paixão de V segundo ele próprio, disco do qual a grande intérprete argentina Mercedes Sosa gravou a milonga Semeadura. Em 1987, tendo trocado Porto Alegre pelo Rio de Janeiro, Vitor lançou Tango. Na passagem dos anos 80 para os 90 Vitor afastou-se dos estúdios e passou a dedicar-se ao palco, pois quase não fizera shows até então. Foi quando nasceu o personagem Barão de Satolep, um nobre pelotense pálido e corcunda, alter-ego do artista. Através da novela Pequod se apresentou o Vitor Ramil escritor, numa ficção criada a partir de passagens da infância do autor, de sua relação com o pai, de suas andanças pelo extremo sul do Brasil e pelo Uruguai. Com o lançamento do primeiro livro, em 1995, o artista passou a ocupar-se duplamente: música e literatura. Mas mais do que pela escritura de Pequod, os anos 90 ficaram marcados para Vitor Ramil como os anos em que começou a refletir sobre sua identidade de sulista e sua própria criação através do que chamou de A estética do frio. A busca dessa “estética do frio” deu-lhe a convicção de que o Rio Grande do Sul não estava à margem do centro do Brasil, mas sim no centro de uma outra história. Simultaneamente a Pequod aconteceu a gravação do CD À Beça. Com versos leves, cheios de coloquialidade, em melodias fluentes e inusitadas concepções rítmicas, o disco antecipava os dois próximos e mais importantes trabalhos: Ramilonga – A Estética do Frio e Tambong. Outubro de 2004 é a data de lançamento de Longes, seu sexto álbum. Em março de 2006, Vitor Ramil reúne-se ao percussionista carioca Marcos Suzano para uma temporada de shows no Centro Cultural Carioca, no Rio de Janeiro, o que os motivou a gravar um disco em duo: Satolep SambatownSatolep, anagrama de Pelotas, cidade natal de Vitor. Sambatown, clara referência ao Rio de Janeiro, cidade natal de Suzano, é o nome do primeiro disco solo de Marcos Suzano. Em 2010 Vitor dá início às gravações de seu novo álbum (CD + DVD documental), délibáb, reunindo as milongas que compôs para versos do poeta argentino Jorge Luis Borges e do poeta rio-grandense, do Alegrete, João da Cunha Vargas. No mesmo período inicia as gravações de um novo disco, o álbum duplo Foi no mês que vem, um amplo encontro do compositor com músicos e intérpretes brasileiros, uruguaios e argentinos ligados de uma forma ou de outra à sua carreira. Em toda sua trajetória, Vítor teve diversas parcerias e músicas gravados por artistas como Milton Nascimento, Jorge Drexler, Fito Paez, Ney Matogrosso, Kleiton e Kledir e Pedro Aznar, entre outros. No momento, Vitor Ramil se encontra realizando novos shows na Argentina e em processo de pré-produção e gravações de seu novo disco.

 

 

BIRDLEGG

Dia 22 de fevereiro, 19h

Ingressos R$ 12

Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada.

Funcionários e clientes Santander têm entrada franca.

Antecipados na bilheteria do Santander Cultural e pelo site MyTicket https://myticket.com.br/

 

Nascido em Harrisburg, Pennsylvania, em 1947, Birdlegg começou a tocar harmônica quando tinha 26 anos de idade. Nunca havia tido uma lição de música, nunca havia tocado nenhuma música, mas sempre quis tocar algum instrumento. E alimentava uma grande paixão pelo blues. Em 1975, mudou-se para Oakland, California, passando a tocar nos clubes de blues, ao lado de nomes como J.J. Malone, L.C. Robinson, Cool Papa e Sonny Rhodes. Suas grandes influências são Taj Mahal, Sonny Terry e Sonny Boy Williamson. O guitarrista e baixista Haskell “Cool Papa” Sadler o adotou e por treze anos Birdlegg tocou em sua banda. Depois, em 1980, formou sua própria banda The Tight Fit Blues Band. Tocou e gravou com nomes como Sugar Pie DeSanto, Omar the Magnificent, Mississippi Delta Blues Band, Joe Louis Walker, Eddie Ray, Miss Dee, Sonny Rhodes, Massala Talbert, Mississipi Johnny Waters, Bobby Webb, Jackie Rogers e muitos outros nomes do blues. Em 2005, lançou seu primeiro disco, chamado “Meet me on the corner”. O disco seguinte, lançado em 2013, ganhou o nome de “Birdlegg and the Tight Fit Blues Band down on San Pablo Avenue”. Em 2010, mudou-se para Austin, Texas, onde também atuou com diversos nomes da cena blues. Além da intensa atividade em shows e gravações, Birdlegg passou a ensinar e tocar em escolas e realizar seminários de blues. No repertório de seu shows figuram composições próprias, como “Barely hanging on”, “Meet me on the corner” e “Don’t set down at the table” e versões para clássicos do gênero, como “You upset my mind” de Jimmy Reed e “Fanny May” de Glasco Waynon.