A ARTE DE DESENHAR RETRATOS

A ARTE DE DESENHAR RETRATOS

Produto esgotado no momento, quer ser avisado?

Preencha os dados abaixo para ser avisado quando retornar.

Descrição

Obscurecida pelo tempo, pelas décadas de ausência das suas obras das livrarias, a memória de Renato Silva volta a pulsar na mente das pessoas que o reputam como o maior dos mestres brasileiros do ensino da arte de desenhar. E dada a sua vasta obra na área da arte-educação, o legado impressionante de Renato Silva reverbera nas várias gerações de artistas nacionais formados sob sua influência. A coleção A Arte de Desenhar foi pensada por Renato Silva e expressa em mais de cem volumes; ela foi publicada originalmente no transcorrer de duas décadas, nos anos 1940 e 1950; agora, a coleção vem sendo recuperada cuidadosamente e trazida de volta às livrarias e às estantes dos estudantes de hoje, que desfrutam dos ensinamentos do mestre assim como ocorreu em outras épocas com os estudantes do passado — a iniciativa parte da Editora Criativo que, recentemente, fez reviver também o primeiro livro nacional dedicado ao ensino de arte, Manual Prático de Desenho, com proposta semelhante de seu autor Renato Silva, e publicada pela primeira vez no longínquo 1939. A tematização é o diferencial da coleção A Arte de Desenhar — possuidor dessa obra completa, o aluno vai encontrar com certeza tudo aquilo que desejar no aprendizado de desenho artístico. Neste volume, o de número 14, o tema retratos é dos mais comuns e presente em todas as obras que ensinam a desenhar, porém, não do modo prático colocado pelo mestre Renato Silva. Pelos seus métodos, com pouco treino, o aluno já está apto a criar seus retratos finalizados com luz e sombra. Fazer desenhos baseados nos rostos de figuras conhecidas é um dos primeiros impulsos criativos do estudante de arte e este volume fornece o incentivo necessário, a instrumentalização básica para que o aluno pratique, com a certeza de que vai dominar esse seguimento da arte ilustrativa. Renato Silva, depois de trabalhar por longos anos como ilustrador de jornais, revistas e livros, atingiu o esplendor de seu potencial artístico ao se fazer professor, tarefa à qual dedicou mais da metade de sua vida produtiva de quase oito décadas.