ARTE E MEIO ARTÍSTICO ENTRE A FEIJOADA E O X-BURGUER

ARTE E MEIO ARTÍSTICO ENTRE A FEIJOADA E O X-BURGUER

Por: R$ 74,00 Em 2x de: R$ 37,00 No boleto: R$ 70,30 Economize: 5,00% no pagamento com boleto

comprar
Avalie
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x sem juros
  • 2x sem juros
Calcule o frete e o prazo de entrega para sua região:

Descrição

Esta obra traz uma seleção de escritos de Aracy Amaral, das décadas de 1960 a 1980, em que a autora enfrenta, na teoria e na prática, temas de grande relevância para a historiografia da arte brasileira. São ensaios, textos de catálogo e jornais, conferências e impressões sobre simpósios, debates ou visitas de ateliê, registros muitas vezes feitos no calor da hora, que compõem um retrato vivo do meio artístico em nosso país. Publicado pela primeira vez em 1983 e agora em 2ª edição revista e ampliada, o livro traz uma seleção de escritos de Aracy Amaral, das décadas de 1960 a 1980, em que a autora enfrenta, na teoria e na prática, temas de grande relevância para a historiografia da arte brasileira. São ensaios, textos de catálogo e jornais; conferências e impressões sobre simpósios, debates ou visitas de ateliê. O volume divide-se em quatro partes - a primeira, 'Arte moderna', apresenta as gerações modernistas no Brasil, num encontro tenso e profundamente interessado entre obra, técnica, sociedade e lugar. A seguir, em 'Arte contemporânea' a autora se debruça sobre o momento de grande efervescência da arte brasileira entre 1962 e 1981 - e traz reflexões escritas no calor dos acontecimentos. Os textos estão aí impregnados de um sentimento de urgência, bastante peculiar àqueles que sabem da importância da formação de um corpus crítico e historiográfico num país periférico. Em terceiro lugar, 'Bienais' problematiza o funcionamento institucional e estético, museográfico e social dessas exposições. Por fim, numa visão panorâmica, 'Arte latino-americana' retoma os temas anteriores e põe em questão o papel social do artista, a possibilidade de uma arte assim chamada e, sobretudo, o que se fez (e o que se pode fazer) a fim de tornar as relações menos desiguais, e os países - sua produção artística e crítica - menos servis aos grandes centros.