LINGUAGENS NA COMUNICACAO

LINGUAGENS NA COMUNICACAO

Por: R$ 48,00 No boleto: R$ 45,60 Economize: 5,00% no pagamento com boleto

comprar
Avalie
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x sem juros
Calcule o frete e o prazo de entrega para sua região:

Descrição

Livro Ed. Estação das Letras Linguagens na Comunicação: Desenvolvimento de Semiótica Sincrética. O livro Linguagens na comunicação: desenvolvimentos de semiótica sincrética, organizado por Ana Claudia de Oliveira e Lucia Teixeira, reúne artigos que tratam de objetos tão variados como videoclipes e cartazes de cinema, HQs e programas de televisão, noticiário radiofônico e maço de cigarro. O objetivo é examinar de que modo a multiplicação de linguagens em um mesmo texto cria efeito de unidade e produz os sentidos que vão dando forma e razão à vida contemporânea. A semiótica discursiva, com a amplitude de seus interesses e a consistência de seu projeto, oferece a base teórica para as análises dos objetos sincréticos. Tomados como totalidades complexas articuladas, os textos examinados se constituem de múltiplas linguagens, mas não podem ser estudados como resultado de uma soma de partes. As linguagens sincretizadas numa página de jornal, por exemplo, destituem-se de seus possíveis efeitos ou significados particulares e confluem para um sentido de unidade que confere a uma notícia ou a uma reportagem sua direção, seus limites e suas possibilidades de expansão. Na primeira parte do livro, estão os textos que se voltam para definições, procedimentos e caminhos metodológicos. Em seguida, há as análises de textos verbovisuais, sonoros e videovisuais. Os trabalhos de análise e de teorização propostos neste livro não só atendem a uma necessidade de formalizar metodologias adequadas de abordagem dos textos, mas também contribuem para a reflexão sobre os modos de envolvimento e interação que ocorrem entre as mídias e seus destinatários. Foge-se de uma visão simplista que confere poder de manipulação aos objetos midiáticos, considerando que o espectador é uma espécie de casa vazia, à espera de preenchimento. Há efetivamente uma espera, mas já preenchida de expectativas e sensibilidades prontas a entrar em ação. É nessa complexa rede de gestos sensíveis e escolhas racionais que se movimentam os textos apresentados.