LIVRO COSACNAIFY BREVE MAS VERIDICA HISTORIA PINTURA ITALIAN

LIVRO COSACNAIFY BREVE MAS VERIDICA HISTORIA PINTURA ITALIAN

Produto esgotado no momento, quer ser avisado?

Preencha os dados abaixo para ser avisado quando retornar.

Descrição

Um dos maiores historiadores da arte italiana, ao lado de Giulio Argan (História da arte italiana, Cosac Naify, 2003), Roberto Longhi (1890-1970) detinha incomparável conhecimento do assunto, contribuindo, ao mesmo tempo, para a formação do método da moderna crítica de arte. Também pode ser considerado um dos maiores escritores de língua italiana do século XX, um mestre da arte de escrever sobre a arte. Sua visão extremamente original e pessoal dos rumos da arte no Ocidente explica o entusiasmo com que defende seus pontos de vista. Com estilo acalorado, Longhi concebe neste livro, antes de tudo, a idéia de uma história da pintura pura, desvinculada de qualquer ligação com a erudição histórica e literária, de qualquer tradição nacional, e vista como desenvolvimento do pensamento formal. A evolução da pintura é abordada com ousadia, quase sem datas, sem episódios biográficos ou apoio de qualquer psicologismo.Como uma primeira síntese do crítico, o livro permite entender melhor a complexidade do pensamento de Longhi no movimento contínuo entre passado e presente. A obra de arte é, antes de tudo, para ele, um conjunto de relações que revelam o contato entre épocas e personalidades diversas, sugerindo uma visão crítica geral da história da arte a partir dos valores da modernidade. Sua visão da arte italiana surge da intuição exata e precoce dos valores da arte moderna. Assim, Botticelli é o supremo artista da linha dinâmica; Leonardo é mais cientista do que pintor; Correggio, um grande desenhista, mas somente da feminilidade no seu aspecto leviano; Michelangelo, última grande expressão do desenho como linha funcional vibrante em massa de plasticidade contida, fusão de estilo plástico, de estilo linear e de perspectiva na idéia de bloco. Andrea del Sarto, Sebastiano del Piombo e o último Rafael estão no limiar do academicismo.Com este título tem início a publicação de uma série de obras do historiador, que incluirá ainda Piero della Francesca e Caravaggio.